Crítica de Rafael Libman sobre o filme Tigre Branco (2021)

Author

Categories

Share

O Tigre Branco foi lançado em janeiro deste ano, dirigido por Ramin Bahrani, tornou-se um sucesso da crítica. Rafael Libman, amante da sétima arte, tece comentários sobre a obra e indica o filme para todos que desejam ver uma história forte de arrancar os cabelos. O filme está disponível em uma plataforma de streaming e já é bastante comentado no país.

O filme conta a história de Balram, um jovem sonhador, nascido em uma comunidade muito pobre, localizada na cidade de Laxmangarh, na Índia. Balram vem de uma grande família, bem como a maioria das famílias indianas e ao longo da vida vai perdendo as expectativas, pois teve que largar a escola logo cedo para trabalhar e ajudar a família. Fato que o deixou muito triste, pois sempre foi inteligente e dedicado nos estudos, salienta o empresário.

Como o filme é narrado na forma de um flashback, logo no início é mostrado Balram como um homem rico, onde ele nos conta o que fez para chegar nesse estágio, então, é surpreendente a bifurcação presente na obra, expõe Rafael Libman. As decisões que o jovem tomou para chegar onde chegou são pouco convencionais e exibe a questão da ascensão social.

Uma outra característica forte de Balram é de ouvir muito. Mais crescido, ouvia os clientes que frequentavam o restaurante em que trabalhava na sua comunidade. Após isso, tornou-se motorista de Ashok, um jovem empresário ligado ao ramo da tecnologia, herdeiro de um milionário importante na região. Ashok passou boa parte de sua vida estudando nos EUA, então o jovem adulto possui uma mentalidade bem aberta, comparada aos valores indianos. Além disso, sua esposa Pinky compartilha dos mesmos ideais.

Dessa forma, trabalhando para Ashok, Balram aprendeu muito. O empresário sempre falava do futuro, da tecnologia e da internet, neste aspecto, a cidade de Bangalore era bastante citada. Além disso, Pinky rompia e questionava por várias vezes os valores tradicionais, e muitas vezes machistas, dos indianos, fazendo com que o jovem Balram pensasse além, ressalta Rafael Libman.

Ao longo da narrativa, o jovem Balram é ultrajado e humilhado pela família, o sentimento de submissão e serventia é muito grande, porém, cansado do rebaixamento e da vida miserável que leva, seu pensamento aos poucos vai mudando. Em grande parte foi essa desfeita que fez o jovem tomar decisões importantes que mudou o rumo de sua vida toda.

Esse filme não narra apenas a história de Balram, exibe de forma escrachada como funciona a sociedade na Índia, comenta Rafael Libman. Temos contato com a cultura, religião, economia, entre outros aspectos, de uma forma muito intrínseca e suave, ao mesmo tempo impactante. É exibido indiretamente como ainda o sistema de castas é incisivo na sociedade, por exemplo.

Author

Share