O quanto as garrafas interferem na qualidade do vinho?

Author

Categories

Share

Marco Antonio Carbonari está no mercado de produção de vinhos há mais de vinte anos, além de ser proprietário da vinícola Villa Santa Maria. O especialista explica, neste artigo, que as garrafas não servem somente para armazenar o vinho ou facilitar o transporte, mas que também têm funções importantes para a bebida até o momento do consumo.

Historicamente, os vinhos eram armazenados, para vendas ou consumo próprio, em jarras, tonéis ou recipientes de cerâmica. Entretanto, a utilização de garrafas, como conhecemos hoje, veio somente no século XVII. Os enólogos perceberam que o recipiente resistente e inerte era bom para o armazenamento, então, a partir daí, foram desenvolvidas diferentes tipos, cores e formatos.

A cor da garrafa é importante para determinar a função de cada tipo de vinho. Por exemplo, se for decidido que a bebida tem potencial de guarda, o melhor tipo de armazenamento para resistir ao tempo é a garrafa escura, cujo principal objetivo é proteger o vinho da luz, porque pode alterar algumas características essenciais. Então quanto mais escura mais longevidade é transferida para a bebida. Marco Antonio Carbonari conta que as garrafas transparentes, por sua vez, são mais utilizadas em vinhos jovens e de rápido consumo, como os brancos e os rosés.

Antes de conhecer os formatos, saiba quais são os nomes das partes da garrafa. De cima para baixo temos o gargalo, ou “boca da garrafa”. Então o pescoço, os ombros, o bojo e a base. Entre os tipos estão:

  • Bordalesa: Original de Bordeaux, essa garrafa é utilizada para vinhos de guarda porque tem um pescoço mais curto e bojo cilíndrico, que facilita na retenção dos resíduos da bebida.
  • Borgonhesa: Produzida mais ao centro da França, Marco Antonio Carbonari diz que a garrafa possui ombros menos marcados que a anterior, mas com um bojo mais cônico, perfeito para armazenar vinhos brancos como o Chardonnay.
  • Renana: Remetendo ao rio europeu Reno, esta garrafa é exclusivamente para vinhos brancos, como Riesling, por ser mais alta que todas as outras já mencionadas.
  • De champagne: Tradicional da região francesa que leva o mesmo nome, esta garrafa, assim como a bebida, também só é produzida ali. Marco Antonio Carbonari diz que o recipiente se assemelha a borgonhesa, mas com os “ombros” mais baixos e com o vidro mais espesso, para aguentar a pressão da gaseificação da bebida.

Author

Share